segunda-feira, 1 de julho de 2013

Músicas Protestantes nas Missas?

acfav | Músicas Protestantes nas Missas?É triste vermos situações como essas, temos milhares de músicas católicas que são lindas, mas em algumas Missas as equipes colocam músicas protestantes (ou gospel, chame como quiser).

Infelizmente muitas dessas músicas são anti-liturgicas, e fazem perder o sentido e a beleza de nossas celebrações, o que demonstra a falta de preparo e formação de muitos membros das equipes de liturgia.

Apresento abaixo um texto escrito pelo saudoso Dom Estevão Bettencourt, publicado na revista Pergunte e Responderemos n. 516. Confira:

“Não é conveniente adotar cânticos protestantes em celebrações católicas pelas razões seguintes:

1)Lex orandi lex credendi (Nós oramos de acordo com aquilo que cremos). Isto quer dizer: existe grande afinidade entre as fórmulas de fé e as fórmulas de oração; a fé se exprime na oração, já diziam os escritores cristãos dos primeiros séculos. No século IV, por ocasião da controvérsia ariana (que debatia a Divindade do Filho), os hereges queriam incutir o arianismo através de hinos religioso, ao que Sto. Ambrósio opôs os hinos ambrosianos.

Mais ainda: nos séculos XVII-XIX o Galicanismo propugnava a existência de Igrejas nacionais subordinadas não ao Papa, mas ao monarca. Em conseqüência foi criado o calendário galicano, no qual estava inserida a festa de São Napoleão, que podia ser entendido como um mártir da Igreja antiga ou como sendo o Imperador Napoleão.

Pois bem, os protestantes têm seus cantos religiosos através de cuja letra se exprime a fé protestante. O católico que utiliza esses cânticos, não pode deixar de assimilar aos poucos a mentalidade protestante; esta é, em certos casos, mais subjetiva e sentimental do que a católica.

2) Os cantos protestantes ignoram verdades centrais do Cristianismo: A Eucaristia, a Comunhão dos Santos, a Igreja Mãe e Mestre… Esses temas não podem faltar numa autêntica espiritualidade cristã.

3) Deve-se estimular a produção de cânticos com base na doutrina da fé.”

(Dom Estevão Tavares Bettencourt, OSB)

0 comentários:

Postar um comentário